sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

DEIXO

Há coisas que prefiro nem deixar em memórias, papéis com caneta. Acho que deixo na alma, deixo na curva dos cabelos, na palma das mãos e nos pensamentos que devolvem algumas tardes. Refaço caminhos, despejo areia, escrevo qualquer parágrafo. Hoje é seu aniversário? Sonhei com você? Admiti alguma saudade? Da boca, do perfume, das sementes que brotam da pele? Tudo isso...

Tudo isso é avesso, tem um pouco de agora, frio de madrugada e de talvez. Mas se eu digo sim, estou errada, faço marcas que o vazio nunca apaga. E eu só faço lançar palavras, quase gritos em silêncio. Quando você saiu, não fechou a porta. Deixou a luz acesa...

2 comentários:

Pedro Lima disse...

Olá! DEIXO-te uma saudação!


Seigneur Eliaquim disse-me que fazes contribuições a um jornal. Qual?



Cura ut ualeas!!!

kassianobre disse...

"Tudo isso é avesso, tem um pouco de agora, frio de madrugada e de talvez"... "E eu só faço lançar palavras, quase gritos em silêncio"

Adorei essas passagens..Tudo isso é o que vc vive, o q vc sente, o q vc escreve..tudo isso é belo! =D