domingo, 12 de abril de 2009

SUCO DE ASSUNTO

Desde o dia em que cheguei na casa onde moro, tenho certa desconfiança com o fruto daquela árvore frondosa e cheia de plantinhas parasitas.
- É um pé de jenipapo, dizia meu pai.
- Gosto não, rejeitava minha mãe.
Eu, criança que era, achava interessante me aventurar mastigando a polpa rígida como carne de polvo cozida demais, retirando as sobras das sementes escorregadias. Comia com açúcar e o açúcar arranhava meus dentes.
(...)
Até que podaram o pobre do jenipapeiro e foram anos a fio sem ouvir o "plof" pesado da fruta estranha, feia e cinzenta no chão. Faz um mês, eu acho - ou mais, ou menos - e lá está o jenipapo estatelado no quintal. A casca áspera rachada, o tom amarelado de suas entranhas se espichando para fora. De uns dias para cá, mainha corre pra pegar os jenipapos assim que eles fazem "ploft".
(...)
PLOFT
- Vou congelar para ter sempre, diz ela contente.
PLOFT
- Que suco rico!, exclama meu pai
PLOFT
- É exótico e meio alcoólico, completa minha mãe.
PLOFT, PLOFT, PLOFT e aparece a dúvida: Como se faz suco de jenipapo?
(...)
- Sim, mas o suco de jenipapo, a gente faz só com a polpa?, perguntei.
- Eu coloco só a polpa, ensinou minha mãe.
Do alto de sua experiência sobre sucos, música e remendar coisas quebradas, meu pai afirmou:
- Eu coloco as sementes também. É nas sementes que está o assunto!

4 comentários:

kassianobre disse...

cada vez que visito o blog fico com vontade de ler mais!!!
momentos contados com tanto carinho...vontade de conhecer mais!! lembrou uma cena da minha infância..nada a ver, mas lembrei..a curiosidade que eu tinha com aquela planta que se fechava sozinha, lembra? minha vó falava que ela ia dormir..

adoro!

bjos

zedafeira disse...

É isso Paula, não tem como deixar de visualizar as imagens que nascem dos seus textos.Neste dá pra ver o jenipapo estatelado no chão, sua mãe correndo para socorrê-lo e tratá-lo com cuidado, até transformá-lo em alimento, enquanto o seu pai, parecendo mais uma mistura de Mago Merlin com professor Pardal, dá a dica para se preparar a bebida estimuladora de uma boa prosa.

Curto muito os seus textos.

bjos.

Estêvão dos Anjos disse...

Estilo sil nas sonoplastias

Lula Castello Branco disse...

Minha vó fazia licor de genipapo, com álcool, açúcar, Genipapo e algodão para filtrá-lo... levava dias a filtragem... era delicioso... A cozinha da casa só cheirava a genipapo... Saudade da minha vó e do licor que ela fazia... bjão