segunda-feira, 20 de julho de 2009

SAÍ

Eu tava pensando em escrever um poema, mas achei melhor beber um pouco de café e apreciar o frio. Sabia que tem chovido demais? Parece até que as árvores da minha casa vão se desmanchar, dançam tão feio o ritmo do vento e eu fecho a janela para não molhar a cama. Eu abro as portas para espantar o mofo e abro também a geladeira para tirar um mosquito insistente que teima em morrer lá.
(...)
Quer saber de mim? Nem te contei, saí um pouco para arejar. No caminho, peguei dois quilos de chocolate e preguiça, fui ao cinema sozinha, conversei com o cara que vende milho em um ponto de ônibus, fiz o caminho inverso só para ir sentada. Esperei em pé para ler uma revista, viajei sem destino - mais de mil quilômetros - para ganhar uma gripe, mais uma vez cortei o cabelo para sentir a nuca.
(...)
Ainda não voltei, talvez demore um pouco... Da próxima vez, deixarei um bilhete na sua porta, na frente da estante ou na sua caneta BIC, que só vive falhando: SAÍ!

5 comentários:

José Feitosa (Zé da Feira) disse...

É bom saber saber que você saiu, que está por aí, batendo pernas pelos caminhos da vida, de repente, sem fazer questão de chegar tão rápido. É um exercício bom pra pensar, vendo o mundo ao vivo.

Beijos

Molotov disse...

boaaa, =DDDD, mas ainda quero ver o poema da saida, elas sempre geram um, principalmente se conhecer alguém =P!

olha, mudei meu blog, na verdade criei outro, o www.ical.zip.net ainda está lá, mas criei outro, www.naoepoesia.zip.net, gostaria que vc desse uma passadinha por lá!!! =d

kassianobre disse...

"viajei sem destino - mais de mil quilômetros - para ganhar uma gripe"

resumiu bem a história em Paulinha.

mas eu sentir isso mesmo nas suas palavras..uma pressa, uma vontade de seguir..sem explicações e detalhes..

ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

adorei

Papel A4 disse...

Aí como é bom sair sem hora, sem destino, sem esperas. Adoreiii! beijos amiga saudadesss!



(Alana Berto)

Raul Spinassé disse...

Lembra de sair... e quando puder, retorna pra relembrar.